Feeds:
Posts
Comentários

Archive for janeiro \31\UTC 2010

 

no dia do teu aniversário será possível avistar duas luas no céu. explico, com precisão e solenidade que a ciência nunca me permitiu, que marte vai estar mais brilhante e será possível enxergá-lo tal qual a lua, a mesma de sempre. concluo a dizer que próximo evento só irá acontecer novamente em 2.287. você se admira de tudo isso e de um tanto de coisas que sempre falo: verdade? mas sorrio. e, dessa forma, tu já aprendes a desconfiar. e esta correspondência tem um único destinatário, meu correspondente secreto nalguma agência de notícias sentimentais. eu te transmito o último atentado, o último cargueiro raptado por piratas somalis, o vírus da moda, a übermodel mais linda. eu te transmito toda segurança, de ser grande, ter três metros de altura atravessando a rua em direção do teu edifício. eu te transmito meus cumprimentos e aquela sensação boa e estranha e conforto. aquela mesma, na hora em que acariciava certo nome inscrito no metal que demarca o lote onde repousa tua mãe. seu terreno. minha única lavra. e ainda escuto você dizer: isso aqui é meu. enquanto nada digo. e tu ruminas um punhado de sentido. o teu conforto, a tua mágica. e eu, silencio. você me guarda um segredo, o mesmo do pedido feito ao atirar o dente de leite no telhado. ou aquele astro que cai no céu. o mesmo céu onde hoje avistas duas luas no dia do teu aniversário. até alguém falar em marte e marte me fazer cair das nuvens e em queda livre divago que outro evento igual não verei. nem tu. não estaremos aqui. nem ninguém.

 

 

Read Full Post »

Read Full Post »

 

 

O poeta mineiro Ricardo Aleixo é um dos artistas que mais admiro, hoje, no país. Mas, poeta é pouco para tratar dos vários tentáculos e articulações que empreende ao seu trabalho. Quem quiser ver um pouco do que faz, acesse: http://jaguadarte.blogspot.com/  . Ricardo me enviou sua versão para a acrobacia. O que de cá, fiquei muito e muito feliz. Uma acrobacia sonora, uma ambiência vocal. As limitações técnicas do WordPress me impediram de postar a voz de Ricardo diretamente aqui. É preciso dinheiro, notas verdinhas e frescas para fazer isso. Nossa ilusão de liberdade nesse universo virtual. Com um pouco de paciência, você clica nesse link:

 
e poderá ouvir o poema de Ricardo Aleixo que era meu, agora não mais. Ouça no volume máximo.

Read Full Post »

Read Full Post »

Eu sou a acrobata do banco da frente. Só você me vê. Me equilibra do lado. Na ponta dos dedos. Reflito no espelho. Algum sorriso que diz enquanto me sustento a este cinto que me amarra, me livra do mal e do acaso. Eu sou a acrobata do banco da frente. E sento ao lado. Enlaço os dedos no seu cabelo como se quisesse chegar aquele lugar comum. Vou deixar os vidros abertos-semi-abertos na esperança de que nos cruzem na velocidade. O amor, talvez. Você me vê. Respiramos o mesmo ar; estamos juntos. Explodimos com discreta naturalidade. Entre um passo e outro, espero. Nossa certeza decifra. Abismo. Repita comigo: me abismo.

 

 

 

 

( Camila Pereira)

 

 

 

 

 

Postar esta acrobacia é quase como um pedido de desculpas. Explico. Camila me mandara ainda ano passado esta beleza de versão. Mas eu, confesso, quase a perdi. Como pode? Como deixar de mostrar aqui? Finalmente, esta acrobacia redescoberta. Com um sabor melhor, acredito.

Read Full Post »

MANUAL DE ACROBACIAS

(EM NOVE LIÇÕES)

I

acrobata do banco

de trás só

não me vê

II

contorcionista

me livra do

mal sorte ruim acaso

III

minutos finais você

embora vago

rosto triste miúdo

IV

acendedores de fogão

fósforos calmantes

naturalidade

V

vidros semi

abertos esperança

oxigenar o mundo alguém

VI

corte nos pés o

estofamento novo o

ar o respiro separados

VII

entre um passo e

outro a espera a

fila o enigma

VIII

senhas alfa

numéricas esfinge

possível abismo

IX

um abismo digo

comigo um

abismo

28.12.09

(Alexandre Barbalho)

 

 

 

 

 

As experiências com as acrobacias estão de volta. Não pude deixar de postá-las, uma vez que me foram ofertadas versões interessantíssimas, que me chegaram logo no princípio do ano, como prenúncio de um novo ciclo. Quem sabe. E para início de conversa, uma versão de Alexandre Barbalho, amigo querido e de carinho soberbo, que fatiou o poema original. Alexandre retornou ao verso, com força e gosto e, em breve, lança livro novo. Aguardem.

Para quem pegou o bonde andando, aqui nesses trilhos tortos, ou simplesmente foi chegando de manso, esses poemas que não são mais meus, mas de outrem, surgiram a partir da provocação de meu último livrinho, “Manual de Acrobacias n.1” (Editora da Casa – Florianópolis/ Editora da Vila – Fortaleza, 2009), onde 72 versões do mesmo poema se repetem tal qual um mantra (já disseram) numa ilusão da própria repetição, uma vez que cada um deles é único, particular e foi ofertado a 72 pessoas diferentes, ainda por volta de 2007, como uma experiência da sobrevivência e do afeto. Após a publicação dos poemas em livro, surgiram versões para a acrobacia das mais variadas. Perdi o controle sobre isso. Perdi o controle sobre o poema, que não é mais meu, mas de quem o reinventa. Muitas vezes, é preciso perder o controle sobre as coisas.

 

Read Full Post »