Feeds:
Posts
Comentários

Archive for julho \15\UTC 2009

3. o quinto augusto

amanhã é terça-feira. dia de caçar cachalotes brancos. dia de matar o ciclope. dia de infligir derrota aos confederados. derrubar a nave klingon. mas hoje não. hoje vou sair com ana e sei que ela vai estar bonita. sua jaqueta fiorucci foi presente meu. ana me adora e vou sair com ela. de mãos dadas, feito bom moço, dou voltas com ela na lagoa. deus está contente. o mar. ana finge que me vê. a lâmina rasgando os confederados, a lança no olho do ciclope, um arpão no meu peito de cachalote e o resumo do último capítulo de duas vidas. francisco cuoco, betty faria. janete clair é meu gênio literário, flaubert do horário nobre. você não acha? diz pra mim. diz que concorda, diz. mas ana finge que me vê. vou preparar a mesa para dois, pratos e talheres, uma garrafa de vinho na promoção do supermercado, copos nadir figueiredo, velas brancas arrancadas dos devotos de santa edwirges e uma coletânea com a trilha internacional da novela. quem sabe ana apareça. quem sabe.


Read Full Post »

Aos amigos que curtem rádio:

 

para quem estiver em casa, ou no trânsito,

 

tem reprise do programa “Autores e Idéias”

 

da Rádio Assembléia FM ( 96,7 ),

 

20:00,

 

quando eu bati um papo bacana com a Lílian Abreu.

 

quem quiser, pode comentar depois. abraços.

Read Full Post »

 1.

nunca serei digno desta morada num segundo andar de um carcomido edifício onde percevejos e escorpiões maltratam sua cabeça, mas o vinho é bom, um meticuloso aroma irrompe do gargalo escuro. tento dizer algo inteligente para você, você a quem me dirijo sempre, para dizer: como pode? eu deixo você dizer qualquer palavra a respeito do seu vestido bordado de flores azuis, adornos sem nome no meu vocabulário ruim, da rua vazia onde você me abraça forte. rua onde você me deixa. dos meus projetos futuros quero retirar algo que desprezo no jardim. o que não serve há de me caber. lustre, alpercatas, cinzeiro com casco de ostra, livros. com linha e agulha transcrevo minha lista de nadas pelo seu vestido. me sinto mais seguro às 2:45, pois meu plano de visão se alarga e a madrugada é mais doce. estarei em casa em alguns segundos. fecho os olhos e acelero: o seu vestido.

 

Nunca seré digno de esta morada en un segundo piso de un carcomido edificio donde chinches y escorpiones maltratan tu cabeza, pero el vino es bueno, un meticuloso aroma irrumpe del gaznate oscuro. Intento decir algo inteligente para ti, a ti, a quien me dirijo siempre, para decir: como puedes? Te dejo decir cualquier palabra con respecto a tu vestido bordado de flores azules, adornos sin nombre en mi vocabulario malo, de la calle vacía donde me abrazas fuerte. Calle donde me dejas. De mis futuros proyectos quiero retirar algo que desprecio en el jardín. Lo que no sirve tiene que caberme. lustre, chanclas, cenizero con cara de ostra, libros. Con línea y aguja transcrivo mi lista de nadas para tu vestido. Me siento más seguro a las 2:45, pues mi punto de vista se alarga y la madrugada es más dulce. Estaré en casa en algunos segundos. Cierro los ojos y acelero: tu vestido.

 

 2.

costumo freqüentar suas moradas com reverência e temor. para não arrastar os móveis e poder acordar alguém. alguém que mora num sobrado bonito como sempre sonhou meu pai. ao mesmo tempo, tirei o dia para ver os cargueiros que atracam no porto raso da minha cidade. há uma história patética e desordenada aí. mas não é hora de contá-la. tomara consiga acordar tranqüilo amanhã, pois me aguarda uma manada de búfalos e porcos-espinhos. mas não se diz manada de porcos-espinhos, mesmo no sentido mais figurado. o máximo que posso é me desculpar. ainda mais quando piso a madeira nova da sala com a planta dos pés entornada de piche, algas, que formam uma crosta em mim, que retirarei com uma faca, que cortarei os dedos. e tudo isso me trará esse sufoco, uma contrapartida a esta manhã tão clara que me atravessa em cheio a ampla vidraça em um sétimo andar da esplanada dos ministérios. aproveito para revelar que há um automóvel utilitário circulando nas vias principais. o mais novo segredo da indústria automobilística maltrata os olhos com um amarelo aberrante. vejo fagulhas e pólvora e marcas de pneu. tudo faz sentido. você percebe?

 

Acostumbro a frecuentar tus moradas con reverencia y temor. Para no arrastrar los muebles y poder despertar a alguien. Alguien que vive en un excesivo bonito como siempre soñó mi padre. Al mismo tiempo, encontré el día para ver los cargueros que atracan en el puerto plano de mi ciudad. Hay una historia patética y desordenada allí. Pero no es hora de contarla. Ojalá consiga despertar tranquilo mañana, pues me espera una manada de búfalos y puerco espines. Pero no se dice manada de puerco espines, ni en el sentido más figurado. Lo máximo que puedo es disculparme. Aún más cuando piso la madera nueva del salón con la planta de los pies llena de alquitrán, algas, que forman una costra en mi, que retiraré con un cuchillo, con el que cortaré los dedos. Y todo eso me traerá ese sofoco, una contrapartida a esta mañana tan clara que me atraviesa de lleno la amplia vidriera en un séptimo piso de la explanada de los Ministérios. Aprovecho para revelar que hay un coche circulando en las vias principales. El más nuevo secreto de la indústria automovilísitca maltrata los ojos con un amarillo chillón. Veo chispas y pólvora y marcas de pneumático. Todo tiene sentido. Lo ves?

 

 

Read Full Post »

1.

eu espero alguém para conversar. alguém para dizer: fiat lux. que todas as coisas funcionem, que todas as pessoas não saiam de casa com perfume tão doce, a mordiscar meu estômago frio, frio.  como relembro agora a tia negra e gorda, seus badulaques de orelhas, dedos, um lenço densamente lisérgico cobrindo o cabelo ralo duro encaracolado de branco agigantando-se de ternura, livre-arbítrio e presentinhos baratos. agora teimo entre o oceano, que poderia me levar até um lugar com nome: Praia, e a irrisória decisão entre ser deus ou um técnico de eletrodomésticos, ao passo em que, entre senhor das desgraças, de todas elas, opto por algum dia, quando for, que seja, tornar à vida este liquidificador surrado e seus pares. que todas as coisas funcionem.

Read Full Post »